Publicidade

quinta-feira, 5 de julho de 2012

#Libertadores: Os heróis, o comandante e o mito

Uma conquista é feita de personagens. Todos os jogadores entraram para a história do Corinthians. Não há dúvidas. Porém, o caminho despertou heróis. Teve um comandante. Criou um mito.

Começando por Danilo. Chegou ao Corinthians em 2010. Chegou com a estima de ter ajudado o São Paulo em uma Libertadores, em 2005. Não conseguiu ajudar o time alvinegro na competição daquele ano. Foi criticado por torcedores, chegou a perder espaço na equipe. Porém, foi reconquistando seu espaço. Ganhou seu lugar e foi fundamental na conquista do Brasileirão em 2011. De lento e apagado,  hoje é titular absoluto. E agora é herói de uma nação. Fez o gol da classificação contra o Santos. Deu um passe fantástico de calcanhar para Emerson abrir o placar na decisão. Fundamental taticamente e decisivo. Teve a cara do Corinthians.

Não tem como não passar por Paulinho. Para mim, o autor do principal gol da caminhada corintiana. O jogo contra o Vasco estava amarrado. Diego Souza perdeu um gol feito. Eram 42 minutos do segundo tempo. Escanteio para o Corinthians. Alex cobra. A bola voa e encontra a cabeça de Paulinho e vai morrer no canto do gol de Fernando Prass. Ele, que foi marcante na conquista do Brasileirão, saiu como um dos heróis da classificação corintiana. O motor do time precisava deixar seu nome na história.



Cássio merece um espaço entre esses heróis. Sofreu apenas dois gols como titular. E “fez um gol”. Ou o torcedor vai dizer que a defesa com a ponta dos dedos no chute de Diego Souza não valeu por vários gols? Confiante e seguro, transmitia isso para todos, seja jogador ou torcedor. Um paredão.Parecia ter entrado numa fria. Mostrou ter a frieza e competência de um bom goleiro.

Romarinho é herói? Se não fosse o seu gol logo no primeiro toque na bola em uma Libertadores, a história poderia ser bem diferente. O Boca traria o regulamento no braço e talvez não seria tão fácil vencê-los. 

Tite não é apenas um herói. É o comandante. Foi do maior fiasco a maior conquista em pouco mais de um ano. Muitos pediram a cabeça dele após a eliminação contra o Tolima, em 2011. A direção o segurou no cargo. A atitude “ousada” colhe seus bons frutos. O treinador ganhou a confiança da torcida. E ganhou a cara de torcedor. Deu alma ao time. Personificou toda a nação corintiana. Montou um time que aprendeu a ter equilíbrio. Marcava com firmeza e esperava o momento certo para sair e matar o jogo. Passou confiança aos jogadores. Chamou a responsabilidade nas críticas. Transformou o Corinthians e deu à equipe o que tanto se esperava: a cara de Libertadores.

Todos estes são heróis. Emerson também seria. Mas quis o destino transformá-lo em algo mais. O Sheik ganha um espaço acima no coração e na memória corintiana. Sentado ao lado de Basílio, o atacante passou a ser um mito. Aquele que derrubou as barreiras do Boca para fazer o Corinthians ser campeão. Elementos para isso? O golaço contra o Santos, onde quase foi de herói a vilão. O passe para Romarinho. A catimba, a marra, a briga, e claro, os gols contra o Boca. Não precisaria nem ser o artilheiro do time na campanha. Ele fez muito mais para entrar para história alvinegra.

O Corinthians foi mais que um time. Foi um grupo de ganhadores. Por mais que alguns personagens se destaquem, o grande fator deste título tem nome: Conjunto. Jogadores, comissão técnica, direção, torcida. Juntos num só objetivo. E ele foi alcançado.

Aqui estão os persongans que libertaram uma nação:
Goleiros: Cássio, Julio César, Danilo Fernandes;
Laterais: Alessandro, Fabio Santos, Weldinho e Ramón;
Zagueiros: Chicão, Leandro Castán, Marquinhos* e Wallace;
Volantes: Ralf, Paulinho, William Arão**
Meias: Danilo, Alex, Douglas e Ramirez;
Atacantes: Emerson, Jorge Henrique, Liédson, William, Elton, Romarinho*** e Gilsinho;
Técnico: Tite.
* inscrito no lugar do atacante Adriano, dispensado; ** inscrito no lugar do zagueiro Paulo André, machucado; *** inscrito no lugar do lateral/volante Edenílson, machucado;

Um comentário:

Pâmela Cristina disse...

Mereceram a vitória, mas até que enfimmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
rs Bjs